RADIO SABORES DA SERRA

3 de fevereiro de 2016

"TAXA" DE ILUMINAÇÃO BATE RECORDE DE ARRECADAÇÃO, MAS RUAS CONTINUAM ESCURAS

O cidadão upanemense foi agraciado pelo prefeito Luiz Jairo, no ano passado, com uma taxa, quer dizer, contribuição para iluminação pública. A cobrança iniciou-se no ano passado e agora tomamos conhecimento de que a arrecadação realizada foi maior 321,90% do que o que estava previsto pela própria prefeitura. Isso mesmo, a PMU arrecadou com a CIP mais de trezentos por cento do que estava imaginando. Agora eu pergunto meu caro leitor, você que anda pelas ruas da cidade, principalmente você que mora nos bairros mais afastados do centro e dá uma voltinha pelas ruas á noite: com essa arrecadação absurda, melhorou a qualidade da iluminação da cidade?

Se alguém tem alguma dúvida, se alguém achar que sim, faz o seguinte: Dê uma voltinha pelas ruas da cidade hoje a noite e comprove.



7 comentários:

Anônimo disse...

Fas mais de mes que eu ando. na manoel g. na praça dos conjuntos principalmente ali no rio con a lanterna na mao.

Anônimo disse...

anax os bicudos com toda boa vontade querem jairo 12 anos na prefeitura vamos pensar se deichamos por que a popularidade de jairo ta tao boa em nossa cidade que acho que ele merewce outra oportunidade kkkkkkkkkkkkkkkkkkk deus me livre desse jairo

Anônimo disse...

coitados desses bacuraus, quero ver só a caganeira depois do resultado das eleições.kkkkkk aja merda nessa cidade.

Anônimo disse...

Ei não tem bicudo mais não, só tem os babões que ganham uma pontinha mesmo assim são de sangue bacurau kkkkkkkk

Arlindo Carlos de Oliveira disse...

Arlindo Carlos disse:
Há mais de 6 meses que não fazia nenhum comentário nesse conceituado blog, o qual tem prestado relevantes serviços à população upanemense. Volto, desta vez, fazendo um relato da saúde pública do nosso município, administrada pela atual administração. Fazer crítica por fazer, não merece credibilidade. Porém, quando se faz crítica em sentido amplo e construtivo, merece aplauso, merece respeito.
Pois bem: Estava em viagem, no mês de dezembro/2015, em atividades profissionais, quando repentinamente recebo uma ligação de uma senhora aos prantos, de uma pessoa pobre, simples, humilde, funcionária pública municipal, exercendo a função de "gari", na atual gestão, que se identificava como sendo ROSÁLIA DA FÁTIMA MEDEIROS, que todos conhecem.
Na conversa que tive naquele momento com aquela senhora, senti, pelo choro, pela dor, pela aflição, pelo desespero, de que se tratava de um caso extremamente grave, muito grave, e que poderia haver uma solução que pudesse aliviar o sofrimento daquela pobre mulher humilde.
No seu relato, dizia que tinha em mãos um laudo médico, fornecido pelo Dr. Rodrigo Trigueiro, afirmando que a paciente necessitava urgentemente fazer uma cirurgia de cálculo renal, sob pena de haver comprometimento dos rins, e que se não fosse realizado tal procedimento, haveria sério risco de outras complicações, até à morte.
Diante do quadro clinico grave apresentado pela paciente, aconselhei-a a procurar à Secretaria de Saúde do Município. O que foi feito. Sem justificativa convincente, o Sr. Prefeito, de imediato, negou o pedido formulado, alegando que não dispunha de condições financeiras para fazer a cirurgia desejada. A paciente insistiu várias vezes, porém, sem êxito. O quadro foi se complicando ainda mais, começaram as crises de dores insuportáveis, o desespero da paciente tomou conta, sem saber a quem recorrer. As crises eram sucessivas, sem qualquer solução por parte do Poder Público, que nada fazia em benefício daquela pobre e humilde mulher. Diante das crises contínuas, começou a tomar injeções diárias, porem seu corpo já não mais aguentava. O seu sofrimento era angustiante, compartilhado por todos que tinham conhecimento da situação, vivido por ato de solidariedade humana, sobretudo de revolta contra aqueles que não tem pudor, não tem amor ao próximo, o respeito a pessoa carente, que não tem respeito à vida.
E qual foi a minha reação? Sensibilizado e penalizado com o sofrimento de Rosália, resolvi abraçar juridicamente a causa, tentando a ajudar a uma pessoa que não tinha da culpa da doença a que estava submetida; que não tinha culpa do descaso da saúde pública vivida em Upanema. O que fiz. Ofereci-me para ser o seu advogado, ela aceitou. Ajuizei uma ação, com pedido liminar, e por sua felicidade, o pedido foi julgado procedente. O juiz em sua sentença, determinou, sob pena de multa diária de R$ 500,00, que a Prefeitura de Upanema custeasse a cirurgia, concedendo-lhe um prazo de 15 dias para a realização da mesma.
A Constituição Federal garante a inviolabilidade do direito à vida, não só o direito de continuar vivo, mas de ter uma subsistência digna. O direito à vida deve ser entendido em conformidade com o princípio da dignidade da pessoa humana. Saúde é direito constitucionalmente consagrado a todos, constituindo dever do Estado.
Confesso, sinceramente, hoje me sinto confortado, realizado e feliz profissionalmente. Consegui ajudar a alguém que precisava continuar a viver, que estava condenada à morte. Consegui que a justiça fizesse justiça. Venci o desespero, venci a arrogância, venci a prepotência, venci o descaso, venci a questão.
Enfim, a mulher pobre e carente venceu a dor do sofrimento e o medo da morte. Para nossa felicidade, Rosália operou-se dia 13/02/2016, está internada na Policlínica em Natal, passando bem graças a Deus. Todos rezem para Rosália, a fim de que ela volte para nossa querida terra com saúde, paz e tranquilidade. Amem!.

luciano disse...

Verdade. O dinheiro da CIP, ninguém sabe onde está indo parar.

Arlindo Carlos de Oliveira disse...

Arlindo Carlos disse:
Um engraçadinho, que prefiro não dizer o nome, um cidadão sem qualquer qualificação, andou dizendo por toda a cidade, que eu iria cobrar de Rosália os serviços, por mim prestados, como seu advogado. Quero dizer a todos os upanemenses, que não é de hoje que trabalho gratuitamente para os mais humildes e pobres de minha terra Upanema. Desempenhei como advogado do Município em duas gestões: a primeira. no mandato do Prefeito "Antônio Targino Sobrinho, durante 4 anos. A segunda, no mandato da Prefeita "Maria Stella Freire, ambos os mandatos desempenhados com muito zelo, competência e dedicação, sem cobrar de ninguém nenhum centavo. O caso de Rosália, não poderia ser diferente. Nem às custas processuais do Cartório foram pagas por ela, fiz com que a justiça se tornasse gratuita. Ela está viva e bem graçaa a Deus. Deixo a critério dela para responder a essa pessoa que durante toda a sua vida nunca fez algo por ninguém. Deixo que a família de Rosália responda por mim. A todos os filhos de Upanema que chegarem a ficar na mesma situação de Rosália e não tiverem condições financeiras para custear cirurgia, ou mesmo a compra de medicamentos caros para um tipo de doença diagnosticada grave, batam â minha porta, estarei à disposição para servi-los, gratuitamente, porque recebo a graça de Deus.